Seja bem-vindo.
Sexta-feira, 24 de novembro de 2017 -

A Reserva  /  Conceito RPPN  /  Prêmios e Homenagens  /  Fauna e Flora

Osvaldo Timóteo  /  São José da Laje  /  Mata Atlântica  /  Localização

São José da Laje é um importante município da Zona da Mata de Alagoas, posicionado às margens da BR-104. Sua População estimada é de 22.282 habitantes (IBGE, 2007).

Dentre as riquezas minerais sobressaem suas pedreiras. Teve como primeiro nome Laje do Canhoto, depois mudado para São José da Laje.


História

Nos seus primórdios, o território foi atingido por expedições oriundas de Porto Calvo, Porto de Pedras, Serinhaém e Rio Formoso. No período colonial, assistiu à passagem de tropas que defendiam o Quilombo dos Palmares. Situado na Serra da Barriga, o povoamento da chamada Cerca dos Macacos ou República dos Palmares, foi preponderante para a exploração da área geográfica da atual São José da Laje.

Negros quilombolas, soldados e capitães do mato que perseguiam os escravos fugidos das regiões de engenho para a cidadela negra, foram os primeiros a fazer o reconhecimento da região, e alguns deles até a radicar-se lá. Só no início do século XIX, porém, estabelecia-se o marco de uma ocupação consistente e o seu povoamento.

Os primeiros vestígios, vamos encontrá-los no ano de 1810, com a escritura de posse do sítio Laje do Canhoto, lavrada no cartório de Atalaia, em favor de José Vicente de Lima e sua mulher, Angélica de Mendonça. “Ali começava a fixação definitiva do homem no solo lajense”, diz o historiador Fernando Galvão de Pontes. Em 1828, o casal beneficiário doava a São José “cem mil réis, a bem de suas almas”, formando seu patrimônio, e no ano seguinte, 1829, edificaram uma capela dedicada ao santo carpinteiro. Ali eles também construíram o engenho Esperança, a sudoeste da cidade, e passaram a produzir açúcar, dando início à pequena povoação balizada pelo Rio Canhoto.

Um fato que marcou profundamente a cidade, destroçando a vila inteira e fazendo muitas vítimas, foi a grande enchente do Rio Canhoto, verdadeira tromba d’água, que destruiu a velha São José da Laje. A tragédia comoveu o Brasil e foi notícia no mundo. A reconstrução foi feita em lugar mais seguro e São José da Laje, pouco a pouco, graças à determinação do seu povo, voltou à normalidade, anos depois.

O município foi criado em 28 de junho de 1886 e a elevação à cidade ocorreu pela Lei número 861, de 16 de junho de 1920.

Figuras Ilustres

Dentre as figuras ilustres citadas na Enciclopédia Municípios de Alagoas, elaborada pelo Instituto Arnon de Mello (2006), estão Osvaldo Timóteo (político e ecologista); João Pinheiro de Andrade Lyra (matemático, pintor e escultor); Cônego Teófanes de Araújo (considerado o maior educador de Alagoas); Fernando Galvão de Pontes (historiador e membro do Instituto Histórico de Alagoas - IHGA); Didha Lyra (pintor e cantor); Amaury Vasconcelos de Andrade (dentista e professor); Genésio de Carvalho (jornalista); José Sousa Melo (jornalista); Francisco de Assis Gonçalves (técnico em cooperativismo); Múcio Veras (administrador); Maria Theomirtes de Barros Malta (escritora, integrante da Academia Alagoana de Letras e do IHGA); Theogenes Augusto de Barros e Maria Teônia de Barros (professores); Valdemar da Silva Pontes (administrador); o ex-governador Theobaldo Barbosa é também considerado lajense ilustre, embora Tanque d’Arca reivindique essa primazia.

Economia

Sua agricultura está baseada na cana-de-açúcar, influenciada diretamente pela presença da Usina Serra Grande. Em São José da Laje, localiza-se uma das maiores reservas florestais da Mata Atlântica, com 9 mil hectares, abrigando mais de 7 mil espécies de plantas e vertebrados. Esta área é preservada pela Usina Serra Grande.

Folclore


Entre os folguedos populares, destacam-se o Reisado, Pastoril, Guerreiro, além de quadrilhas juninas, vaquejadas e cavalhadas.

Patrimônio


Rios Canhoto e Cavunga, riachos das Areias, Camaratuba, Jibóia e Inhumas. No Riacho das Areias existe a Cachoeira Maria Maior, com uma queda de 12 metros. Açudes Macaratubá, Maria Maior, Capiana, Pimenteiras e Manguape. Como patrimônio histórico, a Igreja Matriz São José, o coreto da Praça Central, o Castelinho, o Museu da Serra Grande e um casarão situado na Rua Cícero de Góis Monteiro.

Geografia e RPPN

O município de São José da Laje faz parte da Área Piloto da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica (RBMA) e da Área de Proteção Ambiental APA (Lei nº 5.907), ambas de Murici, e ainda detém a Reserva Particular do Patrimônio Nacional (RPPN) Osvaldo Timóteo, reconhecida em 22 de novembro de 2007. O município possui a área de  265 Km² (IBGE, 2007) e encontra-se a uma distância de 96 Km de Maceió, tendo como principais vias de acesso as rodovias BR-316 e BR-104. Está situado sobre o Complexo Migmatítico-Granítico, tendo argila como principal ocorrência mineral, no Vale do Rio Canhoto.

(Fonte: Enciclopédia Municípios de Alagoas, do Instituto Arnon de Melo, 2006)